Agosto Dourado e Semana Mundial do Aleitamento Materno

Por: Felipe Soares

A Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) é uma campanha criada pela Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (WABA, na sigla em inglês), e acontece mundialmente todo ano entre os dias 1 e 7 de agosto. De acordo com a OMS, a amamentação nos primeiros dois anos de vida poderia salvar, anualmente, mais de 820 mil crianças com menos de cinco anos. Neste ano, quatros objetivos foram estabelecidos pela WABA, a fim de reforçar o envolvimento mundial na promoção do aleitamento materno.

1. Informar sobre como a amamentação está ligada à boa nutrição, segurança alimentar e redução da pobreza.
2. Vincular a amamentação dentro da agenda de nutrição, segurança alimentar e diminuição da pobreza.
3. Envolver-se com indivíduos/organizações que trabalham nessas questões.
4. Motivar indivíduos/organizações que trabalham nessas questões.

No Brasil, foi criado um mês destinado ao cuidado e à valorização do aleitamento materno, o Agosto Dourado. Os objetivos são reforçar a importância desse período para mãe e bebê, encorajar as mães a amamentar e orientar os profissionais da área de saúde sobre a melhor forma de ajudar as mulheres durante esse processo.

O aleitamento materno é importante já na primeira hora de nascimento, pois ajuda a reforçar o sistema imunológico do recém-nascido. Bebês amamentados apenas parcialmente ou não amamentados correm maior risco de morte por diarreia e outras infecções. Outros benefícios são associados à amamentação, como a melhora do QI e do desempenho escolar, e a redução do risco de câncer de mama nas mães.

De acordo com o Ministério da Saúde, a amamentação é recomendada até os dois anos de idade ou mais, e é indicado que, nos primeiros 6 meses, o bebê receba somente leite materno, sem a necessidade de oferecer sucos, chás, água e outros alimentos. Quanto mais tempo o bebê mamar no peito, melhor para ele e para a mãe. Somente depois dos 6 meses, a amamentação deve ser complementada com alimentos leves saudáveis.

O leite materno é uma importante fonte de energia e nutrientes para crianças de 6 a 23 meses. Ele pode suprir a metade ou mais das necessidades de energia de uma criança entre 6 e 12 meses e um terço das necessidades de energia entre 12 e 24 meses. Além disso, a amamentação ajuda a prevenir a fome e a desnutrição, garantindo a segurança alimentar dos lactentes, mesmo em tempos de crise. Sem ônus sobre o rendimento familiar, a amamentação acaba sendo uma forma de alimentar crianças a baixo custo.

De uma forma geral, a amamentação é vital para a saúde de uma criança ao longo da vida. A OMS e a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) lançaram um guia com dez passos para aumentar o apoio à amamentação nos centros médicos. A ação foi promovida pelo programa de aleitamento materno “Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebês”.

DEZ PASSOS PARA O SUCESSO DA AMAMENTAÇÃO

Procedimentos críticos de gestão

1a. Cumprir plenamente o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e as resoluções relevantes da Assembleia Mundial da Saúde.
1b. Ter uma política de alimentação infantil por escrito que seja rotineiramente comunicada à equipe e aos pais.
1c. Estabelecer sistemas contínuos de monitoramento e gerenciamento de dados.
2. Garantir que a equipe tenha conhecimento, competência e habilidades suficientes para apoiar a amamentação.

Práticas Clínicas Chave

3. Discutir a importância e o manejo da amamentação com mulheres grávidas e suas famílias.
4. Facilitar o contato pele a pele imediato e ininterrupto e apoiar as mães a iniciar a amamentação o quanto antes após o nascimento.
5. Apoiar as mães para iniciar e manter a amamentação e gerenciar dificuldades comuns.
6. Não fornecer a recém-nascidos alimentos ou líquidos que não sejam o leite materno, a menos que indicado clinicamente.
7. Permitir que as mães e seus filhos permaneçam juntos.
8. Apoiar as mães a reconhecer e responder às sugestões de alimentação dos seus filhos
9. Aconselhar as mães sobre o uso e os riscos de mamadeiras, bicos e chupetas.
10. Coordenar a alta para que os pais e seus filhos tenham acesso oportuno, apoio e cuidados contínuos.

Amamentar é muito mais do que nutrir a criança. É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, na habilidade de seu organismo se defender de infecções, em sua fisiologia e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

COMENTÁRIOS, DÚVIDAS E SUGESTÕES