AMAMENTAÇÃO: SAÚDE, PROTEÇÃO E CARINHO PARA RECÉM-NASCIDOS

Os benefícios da amamentação são velhos conhecidos da ciência, da medicina, de mães e bebês. Diversas pesquisas demonstram a importância do aleitamento materno como fonte de alimentação exclusiva até o seis meses de idade e comprovam o impacto positivo do leite humano na formação do sistema imunológico, prevenção de infecções e doenças diarréicas e no desenvolvimento cognitivo da criança. Esta estratégia nutricional é tão importante que 24 países, liderados pelo Brasil por meio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), integram o Programa Iberoamericano de Bancos de Leite Humano (IberBLH), com o objetivo de garantir o aleitamento materno a bebês internados em unidades neonatais e filhos de mães impossibilitadas de amamentar.

O aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade favorece o desenvolvimento cognitivo da criança, o seu sistema imunológico e previne contra infecções e doenças diarreicas

 

O coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RedeBLH) e chefe do Centro de Referência Nacional para Bancos de Leite Humano do Brasil, o pesquisador João Aprigio Guerra de Almeida, explica que os bancos de leite humano criados no Brasil constituem hoje estratégia internacional para erradicar a mortalidade infantil, com ênfase na preservação da vida e da saúde de bebês. “Desde 1985 entendemos os bancos de leite humano, criados na década de 1940, como estratégia de saúde pública para a redução da mortalidade infantil – um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Somente no Brasil, em 2010, quase 140 mil recém-nascidos foram alimentados com leite doado por cerca de 145 mil mulheres”, João Aprígio resume.

Os resultados motivaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) a reconhecer a RedeBLH como a ação que mais contribuiu para a redução da mortalidade infantil no mundo, na década de 1990. Em virtude desta conquista, em 2001, a RedeBLH foi contemplada pelo Prêmio Sasakawa de Saúde, concedido pela OMS. “Além de ampliar a visibilidade do trabalho no cenário internacional, fomos convidados pela OMS e pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) a estabelecer cooperação com os países da América Latina para replicar esta metodologia”, conta João Aprigio. O pesquisador informa que a iniciativa é dedicada especialmente ao segmento de recém-nascidos internados em unidades hospitalares que precisam de cuidados neonatais especiais. “São crianças muito vulneráveis, que nasceram antes do tempo. O aleitamento materno é fundamental para compensar a imaturidade imunológica e a debilidade orgânica desses bebês”, João Aprigio alerta.

O leite humano doado passa por rigoroso controle de qualidade antes de ser distribuído aos bebês internados em unidades neonatais | Foto:IFF/Fiocruz

Para que os bancos de leite humano funcionem, é essencial a participação de mães em fase de amamentação. Muitas mulheres têm excesso de leite e podem doar este alimento tão precioso aos bebês que precisam. João Aprígio informa que para se tornar doadora, além de ter excesso de leite, é preciso estar bem de saúde, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar e a doar o excedente. “O procedimento de ordenha é simples. O leite deve ser retirado depois que o bebê mamar ou quando as mamas estiverem muito cheias”, o pesquisador ensina e ressalta que é importante ter atenção às recomendações de higiene para garantir a qualidade do alimento doado. Depois de passar por processos de seleção, classificação e pasteurização, o leite humano doado é distribuído com qualidade certificada aos bebês internados em unidades neonatais.

SAIBA COMO DOAR LEITE HUMANO

O leite deve ser retirado depois que o bebê mamar ou quando as mamas estiverem muito cheias. É importante estar atenta às seguintes recomendações de higiene:
– Escolha um lugar limpo, tranquilo e longe de animais;
– Prenda e cubra os cabelos com uma touca ou lenço;
– Utilize máscara ou fralda para cobrir o nariz e a boca e evite conversar durante a retirada do leite;
– Lave as mãos e antebraços com água e sabão e seque-os em uma toalha limpa.

Como armazenar o leite:

– Separe um frasco de vidro com tampa plástica e retire o rótulo e o papelão que fica sob a tampa;
– Lave o frasco com água e sabão, enxaguando bem;
– Em uma panela, cubra o vidro e a tampa plástica com água e ferva-os por 15 minutos (conte o tempo a partir do início da fervura);
– Escorra a água da panela e coloque o frasco e a tampa para secar em um pano limpo, com a boca voltada para baixo;
– Deixe escorrer a água do frasco e da tampa. Não enxugue, deixe secar naturalmente.

Instruções para a ordenha:
– Massageie as mamas de forma circular, começando pela aréola e abrangendo toda mama;
– Primeiro, coloque os dedos polegar e indicador no local onde começa a aréola;
– Firme os dedos e empurre-os para trás, em direção ao corpo;
– Comprima suavemente um dedo contra o outro, repetindo o movimento várias vezes, até o leite começar a sair;
– Despreze os primeiros jatos ou gotas e inicie a coleta no frasco;- O frasco com leite humano deve ser armazenado no congelador ou freezer;

Na próxima ordenha, utilize outro recipiente esterilizado e, ao terminar, acrescente o leite novo ao frasco que está no freezer ou congelador. O leite congelado pode ser armazenado por até 15 dias.

Saiba mais sobre aleitamento materno e doação de leite humano na Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano

No Responses