América Latina se reúne em congresso no Rio de Janeiro

Por: Felipe Soares

O fortalecimento do SUS, a afirmação dos direitos humanos e da democracia deram o tom do 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCÃO 2018), que aconteceu entre 26 e 29 de julho, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro. A conferência de abertura “Direitos e democracia: sistemas universais e públicos de saúde”, que contou com a participação da médica e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, já indicava que se tratava de um dos maiores eventos científicos de saúde da América Latina. Além de ser a primeira presidenta da história do Chile, Michele foi também primeira ministra da Saúde e primeira ministra da Defesa do país.

O evento contou com a presença de milhares de congressistas de diferentes países, entre sanitaristas, epidemiologistas, cientistas políticos, cientistas sociais, comunicadores, especialistas em políticas públicas, profissionais, trabalhadores, gestores e técnicos da saúde, pesquisadores, professores, estudantes de graduação e pós-graduação, além de militantes de movimentos sociais e de entidades da sociedade civil atuantes na área da saúde, de toda a América Latina.

Entre as programações culturais, científicas e editorais do Congresso, houve mais de 200 atividades simultâneas em 23 auditórios espalhados pelo campus Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com os mais variados debates, entre eles, os temas: Contrarreforma Trabalhista e Previdenciária; Novos horizontes sobre o SUS; Gênero, Sexualidade e Saúde: religião, ciência e cidadania em disputa; Impacto das violências no Brasil contemporâneo a partir de distintos olhares; Violência nas redes sociais digitais; Limites e Possibilidades para o cuidado integral à população LGBT no SUS; Olhares femininos sobre o cárcere; Gravidez, parto e direitos – o caso da violência obstétrica, entre outros.

Abordando ciência, políticas públicas e movimentos sociais, o Abrascão 2018 é reconhecido como um dos mais importantes fóruns científicos com relevância internacional. O Congresso, que acontece a cada três anos, sedia a Assembleia Geral da entidade e define sua nova diretoria e conselho a cada edição.

No desfecho do evento, congressistas expressaram suas alegrias, manifestações, aprendizados e gritos em defesa da democracia ecoados pelos quatro dias de congresso, reafirmando o compromisso da Saúde Coletiva em prol do desenvolvimento e defesa do Sistema Único de Saúde em seu caráter universal e integral.

Quer saber mais sobre a programação, os trabalhos e tudo mais que rolou no Abrascão 2018? Acesse www.saudecoletiva.org.br.

COMENTÁRIOS, DÚVIDAS E SUGESTÕES