“Relação entre pessoas que não estão em conflito”. “Ausência de problemas e violência”. “Tranquilidade”. “Cessação total de hostilidade”. “Estado de espírito de uma pessoa que não é perturbada por conflitos ou inquietações”. “Calma”. “Quietude”. As definições do dicionário Houaiss para “paz” evidenciam a amplitude deste conceito e, também, a sua simplicidade. Afinal, o desejo e a busca pela paz são condições humanas que independem de nacionalidade, etnia, religião, gênero, orientação sexual, idade, classe social, profissão ou personalidade.

Na Saúde, estabelecer a Cultura da Paz significa reconhecer e promover o respeito à vida e à dignidade de todas as pessoas, sem discriminação ou preconceito. Significa, ainda, rejeitar qualquer forma de violência; valorizar o diálogo, a escuta e a liberdade de expressão; redescobrir a solidariedade; manter uma relação responsável com o planeta, o país, a cidade, sua comunidade e sua família. O desafio é complexo e requer o comprometimento de pessoas, equipes e instituições. Apenas juntos conseguiremos tornar realidade a tão sonhada Cultura da Paz.


Prevenção das violências
Evitar a violência em todas as suas formas – física, sexual, psicológica, econômica, social – é o primeiro passo para construir uma sociedade mais justa, igualitária e saudável. O desafio se coloca em âmbito individual, no dia a dia de cada cidadão e em todas as nossas relações; coletivo, na interação entre diferentes grupos sociais; e institucional, no que diz respeito à promoção de ações e políticas a favor da Cultura da Paz, que envolvam os governos, as empresas e o terceiro setor.

 

Gentileza no namoro
Quem ama cuida, confia, respeita, conversa. E é gentil. Valorizar a gentileza e a solidariedade nas relações amorosas é contribuir com a prevenção das diversas formas de violência íntima. A violência no namoro tem impactos para a saúde e pode gerar consequências como baixa autoestima, depressão, consumo de álcool e outras drogas e relações sexuais desprotegidas. Desfazer o tabu e conversar sobre as diversas formas de violência que podem ocorrer nos relacionamentos é a melhor forma de prevenir e enfrentar o problema. Ações de promoção da saúde podem ajudar a refletir sobre a importância do cuidado e da gentileza para a construção de relações pessoais mais saudáveis.

Paternidade
A participação afetuosa dos pais no cuidado com seus filhos é um processo que contribui para o bem-estar de toda a família. Estudos confirmam que o envolvimento do pai em ações de saúde tem repercussão na redução de indicadores de mortalidade infantil, materna e de sífilis congênita. A paternidade pode proporcionar, ainda, mais responsabilidade e comprometimento do homem com o autocuidado e a prevenção de doenças. Por isso, o Plano Municipal de Saúde do Rio de Janeiro define como uma de suas metas a implantação da iniciativa Unidade de Saúde Parceria do Pai em toda a rede Saúde Presente.

Brincação
Brincar é a principal atividade de uma criança. Por meio de jogos e brincadeiras despertamos criatividade e responsabilidade; aprendemos sobre regras, cooperação, liderança e competição. Todos esses valores são fundamentais para o pleno desenvolvimento infantil e a formação de cidadãos saudáveis e responsáveis. No entanto, se engana quem pensa que brincadeiras são apenas para crianças. Brincar ajuda a liberar tensões, superar traumas, expressar ideias, sentimentos e preocupações. E ainda vale como atividade física. Então, por que não incluir mais momentos lúdicos em nosso dia a dia?