Hipertensão Arterial: é grave, mas podemos evitar

Anualmente, dia 26 de abril é comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. E o assunto merece mesmo toda a atenção. A hipertensão é o principal fator de risco para o desenvolvimento das chamadas doenças cardiovasculares – aquelas que afetam o coração ou os vasos sanguíneos e matam pessoas no mundo inteiro.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano ocorrem, nas Américas, 1,6 milhões de mortes por doenças cardiovasculares, sendo cerca de meio milhão consideradas prematuras e evitáveis, por afetarem pessoas com menos de 70 anos.

Apesar de atingir de 20 a 40% da população adulta da região, a hipertensão pode ser prevenida ou adiada, com a adoção de hábitos saudáveis, como a redução da ingestão de sal, consumo de uma alimentação in natura e prática regular de atividades físicas.

Mas, sabemos, mudar de hábitos não é coisa simples. Para Junia Cardoso, coordenadora do Programa Academia Carioca, as ações da Secretaria Municipal de Saúde que marcam o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial têm um papel fundamental nesse processo – muitas vezes difícil.

“Nós desenvolvemos ações o ano inteiro, mas as datas específicas são importantes para gerar consciência sobre os problemas ocasionados pela hipertensão e a importância do autocuidado em saúde de uma forma geral. Mudar de hábito não é fácil, por isso o Programa apoia essa mudança no dia a dia e em ações pontuais.”, diz.

Programa Academia Carioca

O Programa Academia Carioca insere a prática da atividade física regular nas Unidades Básicas de Saúde, por meio da compreensão de que a atividade física é uma importante ação na Saúde Pública, capaz de contribuir para a redução de doenças crônicas não transmissíveis e de agravos à saúde.

Presente nas 10 Áreas de Planejamento da cidade, o Programa visa aumentar o acesso da população a práticas que promovam o bem-estar físico, mental e social, construindo, assim, uma sociedade mais ativa e com estilo de vida mais saudável.

“Os próprios alunos do programa são multiplicadores em saúde. Amplificando as ações em saúde no território. Eles disseminam informação, incentivando vizinhos, amigos e familiares a irem à unidade de saúde.” Diz Junia.