Kit verão: protetor solar, repelente e camisinha

Os cariocas estão acostumados e já sabem: o verão exige cuidados especiais com a saúde, como o uso do filtro solar e a ingestão redobrada de líquidos. Precisamos estar atentos, também, para evitar dengue, zika e chikungunya.

Proteger a casa e a família do mosquito Aedes aegypti requer cuidado e atenção para eliminar os seus possíveis criadouros. Na prática, isso significa desentupir e limpar calhas, vedar ralos, lavar com esponja e sabão as paredes internas de tonéis, barris e depósitos d’água, manter lixeiras bem fechadas e não deixar entulho se acumular. Como o ovo do Aedes aegypti leva dez dias para amadurecer, eclodir e se tornar um mosquito, realizar os cuidados uma vez por semana é suficiente para impedir que o inseto nasça e saia voando por aí, picando pessoas e transmitindo doenças.

O aplicativo Aqui mosquito não se cria te ajuda a criar uma lista de tarefas personalizada e a lembrar-se de realizá-la toda semana, sempre no mesmo dia e horário.

Cuidando da casa e do corpo

Além do cuidado com a casa, algumas medidas individuais podem minimizar o risco de contrair e transmitir dengue, zika ou chikungunya. Usar repelente e roupas compridas e leves, sobretudo em áreas com alta circulação de mosquitos, é uma estratégia importante para evitar picadas. Apesar do calor, esta pode ser a melhor opção para a saúde. Se estiver em dúvida sobre a capacidade do tecido barrar o mosquito, lembre: você pode aplicar o repelente por cima da roupa.

Mulheres grávidas devem redobrar a atenção com esses cuidados, pois os vírus da zika e da chikungunya podem ser transmitidos da mãe para o feto, durante a gestação. A ocorrência de zika na gravidez pode levar a malformações congênitas, como a microcefalia. A chikungunya, por sua vez, pode gerar manifestações graves, como danos ao sistema nervoso central, complicações cardíacas e na pele do bebê.

Só se for com camisinha

Outro item fundamental para um verão saudável é a camisinha. O vírus da zika pode ser transmitido sexualmente mesmo na fase aguda da doença, quando o paciente não apresenta sintomas e pode desconhecer o seu estado de saúde. No caso das gestantes, o uso do preservativo é recomendado em todas as relações sexuais, para proteger mãe e bebê da zika e de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), como a Aids.