Loucura Suburbana: resistência e alegria

Era início do século XXI, ano de 2001, quando surgiu o Bloco Loucura Suburbana, na zona norte do Rio de Janeiro. Enquanto a Reforma Psiquiátrica ganhava força no Brasil desde os anos 70 e cada vez mais surgiam reivindicações pelos direitos dos pacientes e pelo fim de um modelo de assistência centrado no hospital psiquiátrico, o Instituto Municipal Nise da Silveira ia deixando de lado seu modelo asilar-manicomial e o Bloco Loucura Suburbana rompia os muros da instituição levando carnaval para as ruas de Engenho de Dentro.

Desde então, o Loucura Suburbana desfila na última quinta-feira antes do carnaval reunindo usuários, familiares e funcionários da rede municipal de saúde mental, transformando o estigma da saúde mental em integração, respeito e alegria.

Esse ano, o Loucura Suburbana terá como tema “De mulher e de louco todos nós temos um pouco: deixa eu desfilar minha alegria, expressar minha humanidade”, sendo justamente esse chamado para a resistência a políticas de saúde mental que ameaçam o trabalho destes últimos trinta anos de luta antimanicomial. O samba enredo é uma exaltação à diversidade, liberdade e alma feminina e começa, nada mais, nada menos, com: “E Por Falar em Guerreira, Salve Nise da Silveira!”

Bikes da Prevenção e Loucura Suburbana em uma união que dá samba

Desde o ano passado, os Agentes Promotores de Saúde e Redutores de Danos do projeto Bikes da Prevenção não só participam do desfile, se juntando ao restante da rede municipal de saúde mental, como se reúnem antes da folia, para elaborar adereços e fantasias nas oficinas de costura e papelaria no ateliê instalado dentro do Hospital Nise da Silveira.

“É uma atividade de integração dos Agentes, onde preparamos tudo para o desfile da próxima quinta-feira, às 16h. No grande dia estaremos juntos no maior bloco de saúde mental do Rio de Janeiro, também com uma ala nossa do Bike da Prevenção” Diz Rodrigo Simas, coordenador do projeto.

Pega a cola de cá, uma miçanga de lá, uma fita, uma tesoura. Entre fitas, contas e tecidos, a atividade foi um momento para soltar estimular a criação e interagir um com o outro. O carnaval, agora tem o significado da prevenção e o estandarte será erguido no bloco Loucura Suburbana, com o orgulho de quem fez isso com as próprias mãos.

O ’Bikes’

O projeto “Bikes da Prevenção: Nos entremeios da Inclusão, Equidade e Cuidado” foi implementado em 2016 no município do Rio de Janeiro, com o objetivo de garantir o exercício do direito à saúde a pessoas em situação de extrema vulnerabilidade e dificilmente acessadas pelo poder público – como pessoas em situação de rua, usuários de álcool e outras drogas, profissionais do sexo, entre outros.

A partir da educação entre pares, usuários em acompanhamento nos serviços de saúde mental e consultório na rua passam por uma formação e são os próprios Agentes Promotores de Saúde e Redutores de Danos.

Em triciclos, eles circulam pelo território conscientizando a população e distribuindo  insumos de prevenção das ISTs/Aids e Hepatites Virais (preservativos masculinos, femininos, gel lubrificante, material informativo, entre outros) e  materiais informativos.

Bike da Prevenção tem sido uma estratégia potente de prevenção, promoção da saúde e produção de cidadania com ampla aplicabilidade sob as diversas vulnerabilidades presentes

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS, DÚVIDAS E SUGESTÕES