Protagonismo juvenil no serviço de saúde

Foram os jovens do Rede de Adolescentes e Jovens Promotores de Saúde (RAP da Saúde) que deram o tom da 20ª e última Sessão do Ciclo de Debates do ano de 2016. Com o tema “Juventudes – Protagonismo Juvenil e Educação entre Pares na Promoção da Saúde”, eles dialogaram com os profissionais da Atenção Básica sobre as metodologias que desenvolvem para fomentar o protagonismo juvenil e facilitar o acesso dos jovens às unidades de saúde.

Realizado pelas Superintendências de Integração de Áreas de Planejamento e Promoção da Saúde, que compõem a Subsecretaria de Promoção, Atenção e Vigilância em Saúde (Subpav) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS-RJ), o Ciclo de Debates reúne profissionais da SMS para debater temas relacionados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e compartilhar experiências e desafios do dia a dia nas unidades.

O evento foi iniciado com uma fala da Subsecretária Betina Durovini e da Superintendente de Integração de Áreas de Planejamento, Guida Silva, que apresentaram um balanço geral dos Ciclos realizados no ano de 2016 e um anúncio prévio das Sessões que serão realizadas em 2017.

A 20ª Sessão foi especial não só por ser a última do ano de 2016, mas também por seu formato inédito, onde, pela primeira vez, foram realizadas cinco rodas de conversa concomitantes. Divididos nos temas Diversidade; Tabagismo, Álcool e Drogas; Direitos Reprodutivos; Violência “Empoderamento Feminino” e Meio Ambiente “Vigilância e Controle Ambiental”, os jovens do RAP da Saúde apresentaram para os profissionais da rede suas formas de atuação nas dez áreas de planejamento da cidade.

Os jovens integrantes do Grupo O Tempo Não Pára, da Clínica da Família Agenor de Miranda Araújo Neto, em Guaratiba, também demonstraram como se utilizam do protagonismo juvenil em suas ações de saúde, por meio da música e da dança.  

A emoção tomou conta do público quando profissionais expuseram suas experiências enquanto acolhedores do RAP e os jovens apresentaram de que forma o curso influenciou de forma positiva em suas vivências. A tarde foi finalizada com muita música, teatro e o lançamento da publicação, que registra em forma de livro a ação do RAP.